As estrias são formadas por um rompimento das fibras elásticas da camada intermediária da pele, que é formada principalmente por colágeno. As estrias aparecem em homens e mulheres, principalmente na fase adulta ou na adolescência, como expliquei aqui também.

Nas mulheres, o período mais propício para as estrias é durante a gestação. As estrias geralmente são comuns nos seios, quadris, culotes, coxas e nádegas. Cerca de 90% das mulheres podem desenvolver estrias durante a gravidez.

Os adolescentes e as grávidas são os grupos com maior risco de terem estrias. Cerca de 70% das adolescentes mulheres e 40% dos jovens desenvolvem estrias nesta época da vida. Nas grávidas a ocorrência é ainda maior, chegando a 90%. Quanto maior o peso do bebê, maior o risco de surgirem estrias na barriga, já que a pele vai tender a se esticar para acompanhar o crescimento do bebê.

Uma forma de prevenir as estrias é hidratando diariamente, que pode ajudar a prevenir e a amenizar as estrias, desde que os cremes contenham substâncias com estas propriedades. Para diminuir o problema, é preciso repor substâncias que ajudam na síntese do colágeno e da elastina na pele. Também é muito importante hidratar todo o organismo, através do consumo adequado de água e outros líquidos. O recomendado é que se consuma de 2 a 3 litros diariamente, claro que depende de cada um.

estrias antes e depois tratamento

Os princípios ativos hidratantes têm mais sucesso com os chamados redensificadores dérmicos – que fornecem colágeno e elastina à estrutura cutânea.

A pele com estria possui colágeno e elastina, mas de forma totalmente desorganizada e em pouca quantidade. Por isso, é mais importante fornecer substâncias que ajudam na reorganização destas duas proteínas, para que elas voltem naturalmente à sua forma original na pele.

O óleo extraído da planta Hippophae rhamnoides tem substâncias que ajudam a repor à pele componentes que auxiliam no combate às estrias, ele pode ser incorporado em cremes e loções.

O sucesso do tratamento vai depender da fase em que a estria está, do local e de sua espessura. É importante lembrar que não há cura total, mas há significativa melhora em sua aparência.

Outros fatores que podem influenciar são: a genética do paciente, a raça, a idade e a produção de colágeno individual.

Além disso, quanto mais cedo o  tratamento for iniciado, maiores as chances de que os resultados sejam positivos. Há vários tipos de tratamento, desde cremes tópicos, ácidos, laser e peeling, por exemplo. O dermatologista é o mais indicado para diagnosticar e definir os tratamentos, ele irá avaliar qual ou quais os tratamentos que são mais indicados para você e que te trarão mais resultados.

Confira alguns dos tratamentos mais recomendados:

Tratamentos caseiros e naturais

Outros tratamentos para eliminar as estrias também podem ser feitos em casa e com produtos naturais, testei e garanto que o adeus estrias funciona mesmo. Confira aí.

Aplicação de Ácido retinóico

Pode ser usado em casa mesmo, por meio de cremes e o paciente usa o ácido para estimular a produção de colágeno na região em que há a estria. É importante manter a pele sempre hidratada.

Microdermoabrasão

Promove estímulo para reorganização dos tecidos da estria e facilita a penetração de outras substâncias, como o ácido retinóico. Deve ser feito com cuidado para evitar sangramentos no local.

Infravermelho

A penetração da luz infravermelha produz aumento da temperatura na derme, chegando a 65°C, provoca desagregação do colágeno, contração do mesmo, e estímulo à produção do novo colágeno com remodelação da derme, e com isso modificação da aparência da estria.

Laser ablativo e fracionado

É uma excelente opção de tratamento, tem um dano térmico controlado e requerem poucas sessões. Esse método é eficaz em estrias antigas. Uma desvantagem do tratamento é o desconforto na hora das aplicações.

Laser não-ablativo

Tem ponteiras precisas que não machucam a epiderme, portanto, podem ser realizados em qualquer tipo de pele e época do ano, mas demandam um maior numero de sessões.

Subcisão

Procedimento cirúrgico no qual através de uma agulha apropriada faz-se uma ruptura das traves de fibrose produzindo hematoma no local, podendo associar a esse tratamento a sutura da estria ou o preenchimento das áreas atróficas com ácido hialurônico.